terça-feira, 8 de dezembro de 2009

Brasil & a política externa com ponto no Irã.

O objetivo da política externa é a obtenção da confiança dos parceiros do jogo com foco na saúde financeira do país. Se estivéssemos falando de uma empresa o objetivo principal é conquistar a confiança de seus clientes, mas também a dos fornecedores até que aceitem se tornar parceiros (reduzindo seu custo de operação). No caso de um país os clientes são principalmente as empresas dos paises vizinhos e os investidores (pessoa física ou jurídica). Como as regras do jogo são muito amplas um bom entendimento entre os políticos chefes dos estados e boas relações ao longo da historia conjunta dos paises envolvidos, ajudará na manutenção das boas praticas destas operações. A redução dos custos de operação se dá com a redução dos justos.
Os iranianos são bons investidores, as empresas iranianas compram muito do Brasil? Não, na verdade não e mesmo a Petrobras, não sei por que, não está se consolidando no país que tem enormes reservas de petróleo e precisa de parceiras para fazer a extração. Ocorre que Lula é o político internacional da vez. Chefes de estado respeitados em todos os cantos do mundo respeitam nosso presidente pelo que ele é pessoalmente e pelo que ele fez pelo Brasil incontestavelmente. Este simples fato é um grande motivador da confiança de nossos clientes.
O Itamaraty então, ou deveria dizer, o Lula então joga suas cartas para tirar proveito desta “vantagem” e, potencializar esta confiança. De quebra e sem dúvidas Lula busca objetivos pessoais, que é a motivação de todo indivíduo em todas as esferas, ou alguém acredita que Bill Gates fez o sistema operacional por que ele queria ajudar o mundo e ficou rico sem querer!?
Por que o Irã de Mahmud Ahmedinejad? Existe um conflito na região a muito sem solução. Começou entre muçulmanos, não sei acreditando em que (mas agora é fácil falar), a ONU colocou judeus no meio o que só piorou a situação. Rússia, China e EUA já se meteram mas sempre com força bruta e a coisa só piora. Nesta história se há um país que apenas brigou pela sua própria soberania foi o Irã que agora processa urânio que poderia levar ao desenvolvimento de bombas nucleares.
Com medo do armamento nuclear os paises ricos (que estão armados até os dentes, inclusive com bombas nucleares), ameaçam o Irã com retaliação comercial e ostensiva propaganda contra o país. Pelo que li o Irã não é tão mal assim, o índice de pobreza é menor que o nosso, o de analfabetos idem, mais mulheres do que aqui estão na faculdade e os roubos na rua são bem menos freqüentes do que aqui (mas este último índice não vale pois neste o Brasil não compete nem com a corja dos paises).
Lula agora ambiciona, dar uma mãozinha para evitar sanções econômicas que prejudicariam muito o Irã e, com um pouco de sorte minimizar conflitos antigos.
Dado Lula ser quem é, vejo com bons olhos a _aproximação_ entre Brasil e Irã, em qualquer outro momento da história de nosso Brasil eu enxergaria isto com ceticismo e medo de retaliação comercial internacional.
Vejo na balança, no pior dos casos, um zero a zero.

domingo, 22 de novembro de 2009

O espiral Social

Pode-se dizer que uma pessoa que faz um negócio é uma pessoa fora da curva - no sentido de que a maioria das pessoas não arrisca um empreendimento.
Quando o empreendimento é financeiramente bem sucedido apontamos para as outras atitudes fora da curva do individuo e dizemos, "veja as atitudes de um campeão".
Quando o empreendedorismo não é bem sucedido evita-se apontar o mau exemplo.
Felizmente hoje existe uma grande frente, séria, quase uma moda que enxerga com bons olhos a coragem de empreender.

quinta-feira, 5 de novembro de 2009

O Brasil na reunião de Copenhagen sobre o clima.


Grosso modo é o seguinte, EUA que já não assinaram o protocolo de Kyoto dizem que não tem a intenção de se comprometer caso os paises em desenvolvimento não o façam. China e Índia já disseram que não vão se comprometer.
O Brasil pode se comprometer pois grande parte de sua emissão de CO2 é causada pelo desmatamento/queima da floresta Amazônica, no entanto sofre pressão da China e Índia para não assinar compromisso de redução – fazem isto para minimizar a pressão sobre eles mesmo - e dos paises já comprometidos (França, Nigéria e mais um tanto) para que dê o exemplo.
É um modelo interessante de política internacional, como os compradores (o povo de cada pais) estão preocupados, empresas tendem a caminhar para serem mais econômicas e eficientes, no entanto o compromisso com a redução da emissão pode ser um impeditivo para um gordo crescimento. O exemplo típico é o desmatamento da Amazônia, a maioria esmagadora da população esta sensibilizada contra o desmatamento (vide propagando imposta a mais de 10 anos á população) e os políticos precisam atender seus eleitores, assim, se comprometendo ou não em Copenhagen o Estado brasileiro vai se esforçar para diminuir seu desmatamento.
Outro numero que conta é a referencia, alguns paises dizem que reduzirão a emissão de CO2 com base naquilo que emitiram em 1980 outros 1990 e há os que falam em usar como referencia 2005. Não aceite enganação! Outro dia vi um ministro falando em diminuição do crescimento da emissão... aí o cara exagerou! Espero que a comunidade não aceite estatística como forma de redução de emissão de CO2, a coisa tem que ser real!!
Está aí, novamente e meio sem querer, a hora do Brasil fazer a diferença. Eu adoraria ver o Brasil assinando grande e claro uma redução arrojada da emissão de gás carbono para os anos vindouros e obviamente fazendo acontecer.
Quem de anti-mão se compromete com o meio ambiente e com a redução de CO2 é a Marina Silva que é pré-candidata a presidência pelo Partido Verde. Meu problema com ela é o PV, entrei no site e não gostei muito dos textos que não defendem com muita clareza os objetivos, metas e projetos do partido.

quinta-feira, 29 de outubro de 2009

O custo da educação X o da guerra

Pesquisando em vários sites, veja referencias no final do artigo, descobri que o senado americano aprovou 800 bilhões de dólares (até outubro de 2009) para custear a guerra ao terror a partir do atentado de 11 de setembro.
Para fazer o comparativo deste valor com o custo da educação fiz outra pesquisa e ví que o custo anual do ensino de 1000 alunos no Brasil é de 3,5 milhões de reais. Este valor foi calculado imaginando 6 horas aula dia e salário de 3,5 mil reais/mês para os professores.
Fiz um calculo aproximado incluindo o custo de construção da escola (tempo de vida do imóvel 28 anos, ignorei a manutenção) e inclui 14 anos ao tempo que cada aluno deve ficar na escola desta maneira direi que para se educar 1000 alunos precisamos de 58,3 milhões de reais.
E finalmente considerando um dólar a 1,7 reais e digo que com o dinheiro que mata os terroristas poder-se-ia oferecer educação "completa" para mais de 20 milhões de brasileiros. Arrisco afirmar que o custo da educação no Iraque e no Afeganistão não é maior do que aqui.
Fiz a comparação para questionar a atitude contra o terror tomada pelos americanos e aliados e também por que acredito que o terrorismo se apóia principalmente na ignorância e que a razão tende a diminuir sua força. Acredito na educação dos aliados contra o terror mas não nas razões que os levaram a tamanha resposta desproporcional. E aos que responderem a isto com as imagens do ataque as torres gêmeas digo que, de fato, ninguém merece mas que a política externa americana tem sido irracional e continuou sendo até no mínimo o (ainda não merecido) premio Nobel da paz, Mr. Barack Obama.
No Iraque são 32 milhões de habilitantes, no Afeganistão 28 milhões.
Minha opinião é de que um órgão internacional como o FMI ou ONU, devidamente abastecido financeiramente por paises economicamente equilibrados, deveria se ocupar da educação do mundo ou daqueles que aceitassem esta ajuda. Entendo que mesmo esta educação usando capacidade intelectual local e ensinando folclore regional não seria facilmente aceita por tantos paises mas tenho a convicção de que vários paises da África acolheriam a ajuda e o mesmo em alguns paises da América Latina incluindo talvez o nordeste do Brasil.
As escolas da ONUE (Organização das Nações Unidas pela Educação) ofereceriam a possibilidade do intercambio de alunos entre paises durante o período escolar e com isto proporcionaria um avanço considerável da direção da inevitável globalização.

Doc compartilhado do google docs que contem as fontes de minha busca
http://docs.google.com/Doc?docid=0ATDtS7dclluDZGdyaHRuZDhfMTVkemJ6ZzZkcw&hl=en

Planilha com alguns números e calculos
http://spreadsheets.google.com/ccc?key=0AjDtS7dclluDdEpsZTRFd2FyVlBTclowSGJCNzVBNWc&hl=en

sexta-feira, 16 de outubro de 2009

Em crítica ao que escreveu Paulo Sotero...

... ao Estadão em 16 de outubro 2009.

http://www.estadao.com.br/estadaodehoje/20091016/not_imp451287,0.php



Estou indignado com comentários de jornalistas que, mesmo contra o governo, aparentemente consentem com a idéia de que a embaixada brasileira está invadida e não "é culpa nossa” ou do Brasil. - Diga se de passagem vejo a fuga da responsabilidade (ou culpa) um problema crônico no nosso sistema judiciário e isto acaba servindo de exemplo para o povo. - Me refiro tanto ao indivíduo que deixa sua calçada suja e promove o tombo dos transeuntes quanto ao individuo que anda sem olhar por onde pisa.
A postura correta seria oferecer asilo e retira Zelaya do pais ou entrega-lo as leis e regras da justiça e constituição de seu próprio pais, ambos mediante curta conversa com o “requerente”. Ou seria normal deixar que alguém entre em minha casa e use minhas dependências a ponto de atrapalhar ou pior, impedir minha rotina de trabalho.
O Itamatati e o Lula são responsáveis pelo que Zelaya faz na e a partir da embaixada Brasileira em seu próprio pais.
A estranheza dos vários paises presentes no cenário internacional deriva principalmente da postura “não é culpa nossa” que o Brasil tem tomado no caso Honduras. Esta postura, atribuída a Lula, vai sem dúvidas afetar sua imagem internacionalmente, pena que nós aqui não demonstramos a mesma condição crítica.
Fica para cenas dos próximos emocionantes capítulos, o que surgirá da visita de Ahmadinejad, presidente do Irã, a Lula no final deste mês e, ainda mais picante, com a visita prometida pelo embaixador do Brasil nos EUA, de Barack Obama para o final do ano.

quinta-feira, 8 de outubro de 2009

A questão das terras improdutivas.

Está-se discutindo tornar o critério que determina o que é terra improdutiva mais rigoroso.

Se a terra é mais produtiva é melhor para o país, significa que estamos produzindo mais no mesmo espaço e com isto nos tornamos mais competitivos no mundo todo. É uma linha de pensamento correta, no entanto aqui trata-se de aumentar o número de terras "assentáveis", ou seja, terras que podem ser tiradas daqueles que não tem competência para produzir o suficiente dentro do critério de produtividade e entregá-las a indivíduos que não tem terra mas que tem muita vontade de produzir. Em tese estas pessoas estão agrupadas pelo Movimento dos Sem Terra ou MST.

Na prática 22% das terras produtivas do estando de São Paulo já estão nas mãos de assentados do MST, o problema é que estas terras, em sua grande maioria, produzem muito abaixo do critério mínimo para serem consideradas produtivas e portanto escaparem ao assentamento.

É a linha inversa da famosa frase da Tostines "é mais fresquinho por que vende mais, vende mais por que é mais fresquinho". No caso de nossas terras, produz menos que o "critério" então assentamos e o assentamento produz ainda menos por isso então assentamos mais!!!!!! É isso!

Sou a favor do critério de produtividade e sou a favor de dar terra a quem esta disposto a trabalhar em detrimento de quem já provou não ser capaz, mas é preciso oferecer recursos e regras iguais para todos os envolvidos! E antes de tudo obter um resultado mais produtivo no final do processo.

É mais coerente para o país que duas pessoas produzam o suficiente para 10 pessoas comerem e que a comida seja distribuída posteriormente - sempre dentro de programas sociais producentes - do que ter 8 pessoas produzindo para a própria subsistência. Está é uma mentalidade que visa o progresso dentro do sistema capitalista, "os melhores são incentivados e se necessário puxam os piores".

sexta-feira, 25 de setembro de 2009

A vitória de Dell Potro sobre Federer


O cara é “o cara”, um grande campeão já pode ser assinalado com um grande nome do tênis pois não tenho dúvidas de que Dell Potro ainda vai ganhar muito.
A vitória foi merecida já que cada ponto foi disputado e bem disputado, nos campos técnico, físico e mental.
O que vou explorar aqui é o campo mental, e a multa que o Federer levou por usar palavras inadequadas contra o juiz.
Veja lá, Federer é um gentilman e o é nem sempre por que quer, ele não mostra mas tem sim sentimentos que ficam queimando dentro dele.
Como sempre em todos os seus jogos, quando serve Federer segue as regras e não demora mais do que os 25 segundos de tempos máximo entre o final da ultima jogada e o seu saque, quando desafia a chamada de um juiz de linha o faz quase que imediatamente, não se servindo nem mesmo do pequeno tempo disponível. É para ele uma conduta natural de respeito a todos, juizes, platéia e (obrigado Federer!) telespectadores.
É uma pena, no entanto, que o respeito a estas regras tornou-se obsoleto e pôde-se observar que a maior parte dos jogadores, em particular neste US Open, incluindo Dell Potro passam do tempo regulamentar com freqüência se não sempre (é o caso do serviço de Nadal), tanto no serviço quanto do desafio ao juiz de linha. No desafio, viu-se com freqüência o jogador pedir a opinião e debater – é patético... debater! – com o juiz de cadeira sua opinião sobre a chamada do juiz de linha.
Nada justifica usar termos indevidos contra o juiz mas vale uma cartinha bem escrita aos organizadores do evento pedido o tão simples respeito ás regras. Afinal o esporte é ou não é o modelo de praticas de vida!
Demonstração da falta de respeito que a leviandade do trato ás regras está levando, foi a reação da Williams com a juíza que observou um foot falt, saiu agredindo verbalmente e acabou por levar outra bela multa, merecida.

Honduras

Eis que Zelaya vai buscar proteção na embaixada Brasileira. Tem os que dizem que é obvio que o Brasil sabia e aqueles que afirmam que não. Independente disto, lá está Zelaya e mais um tanto de partidários.
São uns 10 hondurenho para cada 1 brasileiro na embaixada, sendo que dos 6 brasileiros uns 3 ou 4 são operadores sem vocação para discutir política. Desde o "golpe" o embaixador brasileiro foi retirado como forma clássica de deixar clara a posição, contra governo de situação, do Brasil.
Agora Micheletti, descontente com o retorno do presidente que depôs, cobra do Brasil uma posição sobre a situação do ex-presidente na embaixada brasileira, se asilado não pode usar a embaixada como palanque e em qualquer outra circunstância deveria ser devolvido as autoridades Hondurenhas.
O ideal seria mandar algum Brasileiro de peso para conduzir a situação de perto mas estes estão nos diversos palanques internacionais que acontecem atualmente nos EUA.
Enquanto nada acontece - Brasil não estabelece a situação de Zelaya na embaixada - Honduras vai perdendo paciência e um tempo precioso e Brasil "ganha" tempo na tentativa de ajudar ou fazer bonito para o mundo.

Os prós e contras da situação para o Brasil, nega envolvimento no retorno de Zelaya, mantêm uma postura democraticamente - superficial mas - correta, não tem comercio a perder e pior do que está dificilmente a situação vai ficar. Aos olhos da comunidade internacional até agora o Brasil tem se envolvido de forma positiva. É preciso, no entanto, fazer uma avaliação mais séria da situação, se é o caso de continuar afirmando que o presidente eleito sobre tutela do governo de situação não pode ser reconhecido, o Brasil deve embasar melhor sua opinião e ser mais efetivo numa proposta de solução.

Ao que parece, EUA está indo no outro sentido, o de aceitar o governo de situação como legítimo protetor da democracia e aceitar o eleito no próximo pleito.

quinta-feira, 27 de agosto de 2009

Em comentário ao texto de Luiz Zanin no Estadão de 26ago09

blog.estadao.com.br/blog/zanin/

Luiz, gostei muito da frase "Dramaticamente, mostra que a democracia e a aceitação da diferença são bens sempre precários". Nossos pais ensinam valores e cabe a nos perceber que eles são ambíguos. A próxima etapa é se aproveitar do conhecimento da ambiguidade para achar o "elo entre o enganado e o enganador" (trecho do texto de Roberto DaMatta na mesma página do Estadão de 26ago09) e praticar o amor, não a guerra.... ou pelo menos tentar.

Luiz é critico de cinema e escreve para o jornal O Estado de São Paulo.

quarta-feira, 26 de agosto de 2009

Em comentário a um artigo de Roberto DaMatta no Estadão de quarta 26ago09

www.imil.org.br/artigos/voce-nao-vale-nada-mas-eu-gosto-de-voce/

Roberto, seu texto de hoje no Estadão contribuiu para um "sair de casa" mais leve e agradável, separei a seguinte frase maior responsável por esta sensação, "É necessário "..." amorosamente procuraram saber onde estava o elo entre o enganado e o enganador. O amor, a esperança e a eventual transformação estão na tentativa de saber por quê."
Sou comerciante e vejo nesta frase um pouco da difícil tarefa do vendedor, convencer o comprador de que ele está comprando aquilo por que vai ser melhor para ele... As vezes o enganado e o enganador se confundem o ignorante não é tão leviano e o inteligente não é tão esperto.
Já saí do Brasil duas vezes e acabei voltando para apanhar tanto que talvez tenha que sair novamente, não, o amor não aprende com os erros, antes um coração mole-bobo do que um gelo-inteligente.

Sim, é maravilhoso procurar sempre o elo entre o Estadão e o Lula, entre o marido e o Ricardão, entre a praia e o interior.

terça-feira, 4 de agosto de 2009

Exercito americano na Colômbia


De um lado temos os EUA que une o treinamento de seus militares á necessidade de combater o consumo de drogas em seu próprio pais para fazer acordos com a Colômbia, país que, "do mesmo lado", precisa combater uma organização armada e violenta que se sustenta principalmente do tráfego de drogas, as FARC.
Do outro lado temos Hugo Chavez e alguns de seus seguidores entre eles Correa, presidente do Equador, contra os EUA e tudo que eles fazem ou façam. O problema destes dois países com os EUA é que este último não gosta de ninguém que não pratique a democracia aberta. Venezuela e Equador, mesmo que governados por presidentes democraticamente eleitos são autoritários a ponto de serem imperialistas e praticam a briga contra as liberdades puras e simples dentre elas inclusa a de imprensa.
Geograficamente a Colômbia está entre Equador e Venezuela e as FARC ocupam principalmente a Colômbia mas também partes dos outros dois países perto das respectivas fronteiras.
Até aqui se cada qual praticasse suas políticas e restringisse seus acordos a seu território (cada um no seu quadrado) não teríamos muito razão para conflito. Mas nada é tão simples, se o vizinho da mesa ao lado fumar a fumaça vai sim atrapalhar meu almoço e se o vizinha fizer uma festa com banda até 3 horas da manhã eu só vou conseguir dormir depois das 3hs, mesmo que cada um esteja respeitando - cada um no seu quadrado.
Já a anos existem várias queixas de que Hugo Chavez vende armas para as FARC e tem aqueles que ainda afirmam que ele é conivente com o transito das drogas pelo seu pais.
Então uma pergunta que precisa ser respondida é, a ajuda dos EUA na Colômbia tem sido focada nas drogas, isto tem contribuído para a diminuição do tráfego e produção de drogas na Colômbia?
Respondendo a esta pergunta, independente de qual seja, a Colômbia ajuda a minimizar os atritos gerados na região pela parceria com EUA. E Uribe, assim como os EUA parecem estar caminhado nesta direção.
No demais é importante não perder o foco do problema que é sem dúvidas o governo de Chavez que contribui com o tráfego e que com isto abre portas na legalidade para uma organização violenta como as FARC acessar armas que seriam muito mais difíceis de obter por outra via. Eu gostaria de ver os sul americanos, Lula e Chile, pegando mais e melhor nos pé de Hugo Chaves por exemplo com processo em corte internacional.

quarta-feira, 29 de julho de 2009

Entrevista de Rafael Nadal


Muito seguro de si falou que seu problema é seu joelho e nenhum outro, agravado pelo fato de ele não saber parar na hora certa, como para ele esta tudo claro as soluções são mais exercícios e melhor conhecimento sobre o problema para parar em momentos mais inteligentes. Vai voltar a jogar, não deu data e nem prometeu o primeiro lugar e por isso mesmo aconselho aos jogadores de tênis do circuito aproveitarem ao máximo seu período de ausência.
Rafael Nadal é uma figura impar do circuito de tênis, não tão direito como seu arqui-rival Federer ele é esquerda inclusive na mão que segura a raquete.
Vide a diferença entre os dois blogs, o do primeiro tem fundo branco, o segundo preto, o primeiro faz questão de mencionar sua fundação, Rafa tem um site mais moderno, na minha leitura mais confuso ao mesmo tempo forte e possibilitando mais contato. Li que ele se separou da família (o que considero normal de sua idade) e que para suportar as dores no joelho chegou a injetar “calmante” diretamente no joelho.
Ele joga com a mão esquerda mas escreve com a direta. Nem sempre isto foi assim quando Rafa começou a jogar com seu tio que até hoje é seu treinador, jogava com as duas mãos até que aos 9 anos o tio decidiu que ele deveria usar a esquerda.
São ou não são elementos tradicionais de um gênio que age e se apresenta de maneira controversa!?
Com 23 anos o cara já ganhou 25 milhões apenas em prêmios, sem contar o que ele ganhou de patrocínio.

quarta-feira, 22 de julho de 2009

Gripe A

Recebi de um amigo e achei que fazia sentido postar.



GRIPE "A"


PERGUNTA
RESPOSTA

1.-
Quanto tempo dura vivo o vírus suíno numa maçaneta ou superfície lisa?
Até 10 horas.

2. -
Quão útil é o álcool em gel para limpar-se as mãos?
Torna o vírus inativo e o mata.

3.-
Qual é a forma de contágio mais eficiente deste vírus?
A via aérea não é a mais efetiva para a transmissão do vírus, o fator mais importante para que se instale o vírus é a umidade, (mucosa do nariz, boca e olhos) o vírus não voa e não alcança mais de um metro de distancia.

4.-
É fácil contagiar-se em aviões?
Não, é um meio pouco propício para ser contagiado.

5.-
Como posso evitar contagiar-me?
Não passar as mãos no rosto, olhos, nariz e boca. Não estar com gente doente. Lavar as mãos mais de 10 vezes por dia.

6.-
Qual é o período de incubação do vírus?
Em média de 5 a 7 dias e os sintomas aparecem quase imediatamente.

7.-
Quando se deve começar a tomar o remédio?
Dentro das 72 horas os prognósticos são muito bons, a melhora é de 100%

8.-
De que forma o vírus entra no corpo?
Por contato ao dar a mão ou beijar-se no rosto e pelo nariz, boca e olhos.

9.-
O vírus é mortal?
Não, o que ocasiona a morte é a complicação da doença causada pelo vírus, que é a pneumonia.

10.-
Que riscos têm os familiares de pessoas que faleceram?
Podem ser portadores e formar uma rede de transmissão.

11.-
A água de tanques ou caixas de água transmite o vírus?
Não porque contém químicos e está clorada

12.-
O que faz o vírus quando provoca a morte?
Uma série de reações como deficiência respiratória, a pneumonia severa é o que ocasiona a morte.

13.-
Quando se inicia o contagio, antes dos sintomas ou até que se apresentem?
Desde que se tem o vírus, antes dos sintomas.

14.-
Qual é a probabilidade de recair com a mesma doença?
De 0%, porque fica-se imune ao vírus suíno.

15.-
Onde encontra-se o vírus no ambiente?
Quando uma pessoa portadora espirra ou tosse, o virus pode ficar nas superfícies lisas como maçanetas, dinheiro, papel, documentos, sempre que houver umidade. Já que não será esterilizado o ambiente se recomenda extremar a higiene das mãos.

17.-
O vírus ataca mais às pessoas asmáticas?
Sim, são pacientes mais suscetíveis, mas ao tratar-se de um novo germe todos somos igualmente suscetíveis.

18.-
Qual é a população que está atacando este vírus?
De 20 a 50 anos de idade.

19.-
É útil a máscara para cobrir a boca?
Existem alguns de maior qualidade que outros, mas se você não está doente é pior, porque os vírus pelo seu tamanho o atravessam como se este não existisse e ao usar a máscara, cria-se na zona entre o nariz e a boca um microclima úmido próprio ao desenvolvimento viral: mas se você já está infectado use-o para não infectar aos demais, apesar de que é relativamente eficaz.

20.-
Posso fazer exercício ao ar livre?
Sim, o vírus não anda no ar nem tem asas.

21.-
Serve para algo tomar Vitamina C?
Não serve para nada para prevenir o contagio deste vírus, mas ajuda a resistir seu ataque.

22.-
Quem está a salvo desta doença ou quem é menos suscetível?
A salvo não esta ninguém, o que ajuda é a higiene dentro de lar, escritórios, utensílios e não ir a lugares públicos.

23.-
O virus se move?
Não, o vírus não tem nem patas nem asas, a pessoa é quem o coloca dentro do organismo.

24.-
Os mascotes contagiam o vírus?
Este vírus não, provavelmente contagiem outro tipo de vírus.

25.-
Se vou ao velório de alguém que morreu desse vírus posso me contagiar?
Não.

26.-
Qual é o risco das mulheres grávidas com este vírus?
As mulheres grávidas têm o mesmo risco mas por dois, podem tomar os antivirais mas em caso de de contagio e com estrito controle médico.

27.-
O feto pode ter lesões se uma mulher grávida se contagia com este vírus?
Não sabemos que estragos possa fazer no processo, já que é um vírus novo.

28.-
Posso tomar acido acetilsalicílico (aspirina)?
Não é recomendável, pode ocasionar outras doenças, a menos que você tenha prescrição por problemas coronários, nesse caso siga tomado.

29.-
Serve para algo tomar antivirales antes dos síntomas?
Não serve para nada.

30.-
As pessoas com AIDS, diabetes, câncer, etc., podem ter maiores complicações que uma pessoa sadia se contagiam com o vírus?
SIM.

31.-
Uma gripe convencional forte pode se converter em influenza?
NAO.

32.-
O que mata o vírus?
O sol, mais de 5 dias no meio ambiente, o sabão, os antivirais, álcool em gel.

33.-
O que fazem nos hospitais para evitar contágios a outros doentes que não têm o vírus?
O isolamento.

34.-
O álcool em gel é efetivo?
SIM, muito efetivo.

35.-
Se estou vacinado contra a influenza estacional sou inócuo a este vírus?
Não serve para nada, ainda não existe vacina para este vírus.

36.-
Este vírus está sob controle?
Não totalmente, mas estão tomando medidas agressivas de contenção.

37.-
O que significa passar de alerta 4 a alerta 5?
A fase 4 não faz as coisas diferentes da fase 5, significa que o vírus se propagou de Pessoa a Pessoa em mais de 2 países; e fase 6 é que se propagou em mais de 3 países.

38.-
Aquele que se infectou deste vírus e se curou, fica imune?
SIM.

39.-
As crianças com tosse e gripe têm influenza?
É pouco provável, pois as crianças são pouco afetadas.

40.-
Medidas que as pessoas que trabalham devam tomar?
Lavar-se as mãos muitas vezes ao dia.

41.-
Posso me contagiar ao ar livre?
Se há pessoas infectadas e que tosam e/ou espirre perto pode acontecer, mas a via aérea é um meio de pouco contágio.

42.-
Pode-se comer carne de porco?
SIM pode e não há nenhum risco de contágio.

43.-
Qual é o fator determinante para saber que o vírus já está controlado?
Ainda que se controle a epidemia agora, no inverno boreal (hemisfério norte) pode voltar e ainda não haverá uma vacina.

sábado, 18 de julho de 2009

É verdade que o homem foi para a lua?



A poucas semanas me deparei com dois bons e velhos amigos questionando se o homem haveria de fato pisado na lua ou se toda a história não seria uma farsa hollywoodiana. Sempre acreditei mas, porque?
Herdei de meu avô um telescópio que aumenta 300x, com esta aproximação, a lua passa pelos olhos (em função da rotação da terra), é possível ver as crateras em “detalhes”. A tal ponto que pensei que se tivesse uma bandeira lá eu poderia vê-la.
Sempre acreditei que as viagens tripuladas à lua pousariam em áreas visíveis da terra pois isto facilitaria no acompanhamento incluindo comunicação. E assim é (Mare Tranquillitatis - area de pouso da Apollo 11 - 1969).

Resolvi então pesquisar o assunto e me dei conta que meu conhecimento, mesmo que embasado em alguma prática, é quase que subjetivo perto dos números reais. Na verdade a lua fica tão distante da Terra, são mais de 300mil km, que nem mesmo o mais potente telescópio da terra é capas de ver um objeto tão pequeno quanto uma
bandeira na lua, nem mesmo os telescópios que “pairam” em nossa órbita, dentre eles o Hubble é capas de identificar objetos menores do que um estádio de futebol! A órbita do Hubble está a 560 km da terra.
Como então provar que o homem pisou na lua?
Voltei a procurar fotos e passei a ler comentários postados nos mais diferentes sites da internet. Descobri que a Agencia Espacial Européia (esa.int) mandou em 2005 um pequeno satélite cujo uma das missões era mapear a lua (com fotos), no entanto as fotos dos lugares onde as naves americanas pousaram não tem resolução para qualquer conclusão, as fotos da região foram tiradas a uma distância de aproximadamente 100 km. No faq do site a resposta para a pergunta sobre estas imagens é simples, “não era o objetivo da missão”.
Ouvi dizer que durante a guerra fria a Russia teria sido capas de detectar o som da presença dos americanos na lua ou confirmar a presença deles de alguma maneira mas não encontrei nada a respeito.

Conclusão:
Eu continuo acreditando que os americanos pisaram de fato na lua mas não tenho como provar. Acredito por que cresci acreditando e por que nesta semana em que pesquisei o assunto esbarrei em tanta informação que me pareceu séria e confiável sobre tantos feitos do homem no espaço que entendo que a chegada na lua tenha sido um feito “fora da curva” mas ainda assim possível.

Fontes
http://www.google.com/moon/ (É o mais didático)
http://www.astrosurf.com/
http://www.esa.int/
http://www.nasa.gov/
E tantos outros resultantes de buscas pelas palavras:
- Landing site moon
- moon
- man on moon
E assim vai.

E vc já pesquisou o assunto, faça seu comentário!

sexta-feira, 17 de julho de 2009

Roger Federer - The Legend




Roger Federer
A monster, a living legend of the tennis. Simple of expression the guy appears as an intelligent and easy going one.
Federer has a foundation that aim to support sports ware there is a lack of sufficient funding. “In sports we learn how to fight: for victory, for the entire team, in order to reach a goal.” <- fhrase taken from the foundation mission. At this moment they are acting mainly in Africa but as I understood there is no geographic barrier, it supports innovative projects operated by local relief organizations in selected countries.
Federer earned more then 40 million dollars just in awards, so not adding the sponsors and merchandising. Now with 27 years old will be father for the first time in 2009.

domingo, 12 de julho de 2009

Entretenimento

Filme que recomendo
O Casamento de Romeu e Julieta
É um bom "filme nacional", focado na história e não na produção cinematográfica, os atores (Luana Piovane, Luis Gustavo, Marco Ricca e outros) desempenham bem, exagerando nos sentimentos fazendo valer um romance que carrega o nome Romeu e Julieta. A idéia da formação dos clãs em cima dos times de futebol (Palmeiras e Corinthians) é muito bem desenvolvida e eu terei satisfação em recomendar este filme para um gringo como a interpretação do romance de Shakespeare nos moldes da cultura Brasileira mesmo que, pelo que entendi, esta não foi a inteção do diretor Bruno Barreto.

sexta-feira, 10 de julho de 2009

Hoduras

EUA se colocaram contra o golpe. Brasil e vários outros países alem de manifestar descontentamento com o golpe precipitaram-se em colocar o retorno de Zelaya como condição inicial das negociações o que acabou fazendo a OEA perder sua saliva* indo a Tegucigalpa expor sua intransigência.
É preciso fazer política (acordo entre as partes) e ser o mais democrático possível no processo, se os militares e o parlamento de Honduras chegaram ao extremo do golpe não era de se esperar que voltassem atrais com pressão e sem acordo. Em complemento o acordo é mais democrático e atende melhor as partes que se dizem democráticas como a maioria dos paises que estão se dando ao envolvimento.
Acordo é que Zelaya esqueça suas ambições de poder a la Chaves (3ª. mandato), vai retornar ao pais, ao poder e escapar de processo legal dependendo de sua habilidade de negociação. A meu ver os países democráticos a começar pelos EUA passarão a negociar com Honduras mais dia menos dia com ou sem Zelaya.
*A saliva dele e o dinheiro do povo Brasileiro que bancou a viagem.

quinta-feira, 9 de julho de 2009

Lei anti fumo

Em comentário ao texto escrito por Demétrio Magnoli no jornal Estadão de quinta 09 de julho.

Os pontos que me chamaram atenção e que desejo comentar aqui são "Numa sociedade que preza a liberdade, o direito dos não-fumantes ficaria preservado pela simples informação de que determinado bar ou restaurante se destina a fumantes" e a comparação da _exclusão social do fumante_ (minha interpretação) com a perseguição do humano "perfeito" pela elite político/militar alemã do inicio do século 20.

Seria a solução correta impor ao bar a decisão de ser um bar fumante ou não fumante, ou seja a fumaça está completamente liberada ou está completamente proibida. Como isto se aplicaria nos prédios residenciais e comerciais, seriam obrigatórios fumodromos cercados por paredes e equipados com exautores. Não é viável, esta foi a tentativa anterior oferecida pelas leis anti tabagismo mais brandas.

Como fica o individuo fumante que mora em um apartamento e não pode fumar no pois tem filhos pequenos e para piorar trabalha em prédio comercial. Será obrigado a fumar na rua e expor ainda mais seu vício ao público e crianças que por ali ainda são livres de trafegar.

Sim, é apenas uma lei eleitoreira baseada nas estatísticas mas que por hora me atende melhor que as anteriores mesmo que eu esteja muito distante de ser um humano perfeito.

quarta-feira, 8 de julho de 2009

Bolo de Maçã

Esta receita é da Beth, funcionária da loja de antes de eu aparecer!

Eu não tinha muita experiência com bolos e em pouco tempo me senti a vontade para criar novos sabores. Desta receita já fiz bolo de chocolate, laranja e até limão.

Ingredientes:
1 xícara de chá de açúcar
2 xícaras de chá de farinha de trigo especial
2 colheres de chá de fermento em pó para bolo.
1 xícara de chá de óleo
1 maçã limpa e picada em cubos
4 ovos

Modo de preparo:
Pré-aqueça o forno, ele deverá ter uns 180º.C quando você colocar a massa do bolo para assar.
Misture os 3 primeiros ingredientes (açúcar, farinha e fermento). Bata no liquidificador o óleo, uma maçã e os 4 ovos. Misture os dois, pó + liquido, pronto esta é a massa do bolo.
Coloque a maça em uma travessa untada. A massa vai dobrar de tamanho.
O tempo de cozimento é de mais ou menos 20min mas a regra fundamental é não abrir o forno antes de a massa crescer e firmar (3 á 5min depois de crescer). Agora para verificar se o ponto da massa esta bom é preciso pegar um palito de madeira e enfiar na massa, se ele voltar umedecido ou com pedacinhos do bolo é por que ainda precisa de alguns minutos de forno, no ponto o palito volta ceco.

A Beth ainda pega mais uma maçã picada da mesma maneira, joga em uma mistura de farinha, açúcar e canela. Joga esta mistura sobre a massa do bolo logo antes de levar ao forno.

Natal
Se quiser fazer alguma coisa com uva passa para o natal, coloca a passa na mesma mistura da segunda maçã.

Invente!!!!!!!!

Para fazer bolo de chocolate substitua a maçã por uma xícara e meia de chocolate em pó (aquele do padre ou o concorrente) e adicione uma xícara de leite para compensar o líquido da maçã.
E assim vai, bolos de limão e laranja ficam muito bons e vale tentar com a cobertura de chocolate que mandei na promoção anterior.
Maisena é uma mão na roda para quem quer fazer um bolo com recheio e você não precisa fazer o bolo para experimentar o recheio...
Se der na telha tente substituir o óleo pelo iogurte, ESTA EU NUNCA TENTEI.

quinta-feira, 23 de abril de 2009

Panqueca de salmão




2 Ovos (para 4 ou 5 panquecas)
½ copo de Leite
Farinha especial (normal na verdade, aquela que usamos para o bolo)
Filet de Salmão (para sashimi)
Coalhada fresca (tipo árabe ou feita em casa)
Rúcula
Azeite, limão, sal e pimenta do reino.

Modo de preparar
Misture os ovos, o leite, um pouco de sal e adicione farinha até obter um liquido viscoso, quanto mais grosso o liquido mais grossa a panqueca, deixe descansar por 15min (enquanto descansa esta mistura encorpa).
Corte o file de salmão na ponta da faca (procurando sempre 90º. das estrias do salmão) corte pequeninos cubos do peixe (na boca eles devem derreter!).
Lave e seque bem as folha de rúcola.
Separado, misture 2/3 de azeite com 1/3 de limão coloque sal (generosamente) e pimenta do reino.
Faça panquecas grandes (24cm de diâmetro mais ou menos o tamanho de um prato) na frigideira de ante-aderente untada com um filete de azeite, conforme estiverem prontas descanse-as em banho maria (para segurar a temperatura).
Prepare cada panqueca colocando uma “fileira” de peixe, outra de coalhada fresca e outra de rúcula (use a proporção visual 2/8, 1/8, 5/8 respectivamente – ou seja, mais rúcula menos coalhada) enrole (eu faço com a mão), corte na transversal e arranje no prato, as partes em paralelo/oposto, de modo que o corte transversal fique exposto aos olhos. Faça pequenos cortes na panqueca (para facilitar a penetração do molho) e despeje o molho por sobre o todo.

Comentários
Dado que fora a panqueca todos os outros ingredientes são frios, uma das crises deste prato é a temperatura que ele será servido, eu gosto de esquentar os prato em banho maria para conseguir servir a panqueca numa temperatura no mínimo morna.
Veja que o molhinho da salada que faço carece de criatividade, misturar shoyu com um pouco de mel e adicionar um pouco de azeite pode ser uma melhor escolha pelo gosto, pela textura e pela cor/decoração do prato.
Se preferir use salmão defumado mas aí é preciso mudar o tom sal/acidez do molho!
Bom apetite

Quem sou eu

Minha foto

Sinceridade ou talvez o silêncio em vez do vão mas não ao redor ou a falsidade. 
Perder é uma arte, não perder é impossível.

Google+ Badge